O quão bem você conhece seus ganhos e gastos mensais?

07/07/2020

O quão bem você conhece seus ganhos e gastos mensais?

Você sabe qual o total de seus ganhos e gastos mensais? Na maioria das vezes responderemos que sim, pois diariamente pagamos e recebemos ou trabalhamos para receber algo no final de um período de tempo, porém, o que você conhece acerca dos seus ganhos e dos seus gastos pode ser apenas dados e não informações.

Dados não possuem significado relevante, não conduzem necessariamente a compreensões sobre eles, por exemplo: lembramos que fomos a padaria na noite anterior e compramos alguns pães por R$ 5,00, que passamos no supermercado comprar outros itens, que temos o aluguel ou alguma prestação para pagar, assim como lembramos que ao final de um mês de trabalho ou após uma venda temos um salário ou lucro. Dados estão presente em nossos dias e são mais reais do que podemos imaginar, mas apenas quando são organizados e ordenados em um contexto podem produzir informação, ou seja, gerar significado e compreensão possibilitando um conhecimento.

Nesse contexto cíclico acabamos familiarizados com os dados enquanto deixamos de lado, muitas vezes, as informações e principalmente as análises e o conhecimento que adquirimos com elas. Afinal, todos, mesmo sem prestar atenção, temos que administrar as contas cotidianas em ciclos mensais. Ricos ou pobres, sobrando ou faltando dinheiro, convivemos no dia a dia com essa administração, tentando chegar ao fim de cada mês da melhor maneira possível.

O mapeamento dos gastos e ganhos permite concluir sobre a sobra ou falta de recursos ao final de um período. Se temos a informação da sobra podemos planejar o melhor destino para o recurso, no caso da falta teremos que tomar emprestado ou buscar novos meios para suprir essa necessidade. A essa análise antecipada de um período futuro podemos chamar de Orçamento Familiar ou Pessoal.

Nesta altura você deve estar pensando nas tradicionais planilhas de controle, sim, são muito úteis, mas já existem inúmeros aplicativos de smartphone que transformam os dados de recebimentos e pagamentos em informações, gerando gráficos e relatórios que nos permite fazer as mais diferentes análises. Vejamos uma ideia de por onde começar:

CALCULE SUA RENDA

A maioria das pessoas começa o seu orçamento do lado errado: pelas despesas, quando o ponto de partida deveria ser as receitas. Pense a respeito: Você deve gastar de acordo com o dinheiro que tem, certo? Se a sua resposta foi sim, podemos dizer que as receitas definem o seu orçamento e seus gastos devem se adaptar a essa realidade.

Um ponto importante é listar as receitas que efetivamente você recebe. Uma estimativa de bonificação ou a possibilidade de receber comissão por um serviço ou venda não deve ser considerada. Afinal, o dinheiro pode não vir e contar com o valor antes da hora pode se tornar um problema. Também ignore os limites de cheque especial e cartão de crédito, de maneira alguma eles entram na definição de sua receita.

ANALISE SEUS GASTOS

Faça uma lista de todas as suas despesas, se necessário anote individualmente cada um dos gastos que compõe a fatura do seu cartão de crédito. Nesta etapa o objetivo é classificar suas despesas. Agrupe-as em despesas fixas, que são as que não costumam variar e todos os meses se repetem (aluguel, condomínio, ensino, etc.); despesas semivariáveis, que estão presentes todos os meses, mas que podem apresentar variações significantes (alimentação, conta de luz, água, telefone, etc.); e despesas variáveis, que podem ser evitadas, substituídas ou reprogramadas (roupas, calçados, presentes, viagens, cinema, etc.).

Procure analisar muito bem os gastos invisíveis, como por exemplo: juros e multa por atraso de pagamentos, compras desnecessárias, taxas ou mensalidades para serviços não utilizados etc., pois são pequenas despesas do dia a dia que levam dinheiro sem que você perceba. Feita as análises e agrupadas as informações são três os cenários possíveis que definem qual o plano de ação.

Perceba como as análises das informações de mapeamento de despesas passam a influenciar diretamente o plano de ação. Quando não sabemos o quanto gastamos, não estamos preparados para traçar metas e planos importantes.

CENÁRIO 1 – Caso esteja gastando menos ou em linha com o que ganha, vale a pena refletir sobre a qualidade dos gastos, buscando investir e poupar. A busca por novas fontes de renda pode ser uma alternativa adequada para redefinir o seu orçamento, neste caso os investimentos financeiros podem ser uma opção.

CENÁRIO 2 Se estiver com o orçamento equilibrado, mas não estiver poupando, procure cortar gastos, de forma a investir ao menos 10% de sua renda. Oportunidades surgem todos os dias e muitas vezes surgem imprevistos ou emergências, estar preparado para as oportunidades e pronto para enfrentar imprevistos deve ser sua meta, por isso vale pensar em cultivar uma reserva de oportunidades e emergências de ao menos seis meses de suas despesas correntes.

O cálculo sobre o número de vezes que multiplicamos as despesas correntes para compor essa reserva é muito particular, mas deve-se levar em consideração um tempo mínimo e adequado para se reestabelecer uma eventual baixa nas receitas.

CENÁRIO 3 – Se estiver gastando mais do que recebe, não há alternativa a não ser cortar os gastos. Há uma tendência natural de deixarmos para encarar os fatos sempre depois, pois dependendo a situação, os ajustes necessários podem comprometer o padrão de vida que temos levado. A escolha é nossa, se deixamos a situação piorar ou tomamos uma atitude enquanto ainda é tempo.

Perceba como trabalhar os dados do dia a dia nos leva a poderosas análises e conclusões. Sempre que estamos munidos de informações nossas decisões se tornam cada vez mais assertivas, pois, seja qual for a ferramenta utilizada, planilha, aplicativos ou mesmo cadernos, quando analisamos e planejamos nossa vida financeira, nossos sonhos e metas saem da esfera do “se” e passam para a esfera do “quando”.

Não perca tempo, comece e persista. Busque ferramentas que vão te auxiliar nesse processo e até mesmo profissionais capacitados para auxiliar nessa construção. Para saber mais sobre como gerir com eficiência sua vida financeira, leia nosso próximo post o qual abordaremos o serviço de Gestão de Contas SOMMA Multi-Family Office, e lembre-se: “Há mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam” (Henry Ford).

Assuntos relacionados