IPO: O que é e como funciona?

22/02/2021

IPO: O que é e como funciona?

IPO  – Initial Public Offering” (Oferta Pública Inicial) –  refere-se a abertura de capital de uma empresa na bolsa de valores. É um processo trabalhoso e uma decisão muito importante para os donos da empresa, que pode gerar oportunidades para nós, investidores. No conteúdo de hoje, falaremos um pouco mais sobre esse processo, explicando como ele funciona e explicando o porquê de as empresas aderirem a ele.

Em geral, o motivo das empresas decidirem fazer IPO é sempre o mesmo: captar recursos no mercado. Entretanto, o objetivo dessas empresas captarem recursos difere para cada companhia, podendo ser para incorporar outras empresas, investir em P&D (pesquisa e desenvolvimento), reformar ou construir novas unidades, ou até mesmo, se desalavancar (diminuir dívida). Existem, ainda, outras formas de captação de recursos no mercado de capitais que não seja a abertura de seu capital – via emissão de dívida, como por exemplo debêntures, Letras Financeiras, CRIs e CRAs, a depender do ramo de atuação da empresa.  Aqui, entretanto, vamos focar no IPO.

Mas afinal, o que é esse IPO? Como o nome diz, é uma oferta pública inicial, pois a empresa está ofertando, pela primeira vez, ações de sua companhia no mercado. Assim, ela está abrindo seu capital para qualquer um que deseje se tornar acionista da empresa, comprando suas ações por meio de uma corretora, na bolsa de valores, e se tornando assim, uma Sociedade Anônima (SA).

Este é realmente um grande passo, pois após decidir abrir seu capital a empresa passará por um dispendioso processo, tanto de tempo quanto de dinheiro. A empresa deverá contratar empresas de auditoria, que irão organizar todas as informações contábeis, realizar um valuation para determinar o real valor da empresa antes da abertura, contratar pessoal qualificado tanto para seus cargos de liderança quanto para a área de RI – Relação com Investidores, pois agora que a empresa é pública, todas as suas informações financeiras, resultados operacionais, notícias relevantes e objetivos de longo prazo, deverão ser comunicados aos acionistas e possíveis investidores, ou seja, o público em geral. Este processo pode se estender por até um ano, e quando estiver tudo pronto para ser finalizado, o mercado talvez não esteja mais tão atrativo para realizar este movimento de abertura de capital, e os planos podem ser adiados.

Além disso, a empresa não deverá apenas prestar esclarecimentos a todos os acionistas, mas deverá, a partir do momento em que for uma Sociedade Anônima (SA), ter registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que é a entidade reguladora do mercado, e estará sujeita a suas regras e supervisão.

Após atender todos estes pré-requisitos, a empresa formulará um Prospecto e irá apresentá-lo ao mercado. Nele estarão informações sobre a história da companhia, resultados financeiros de pelo menos 3 últimos exercícios contábeis, e o que deseja fazer com os recursos que está pretendendo captar. Agora, se inicia o Roadshow, processo em que a empresa apresenta seu projeto a possíveis investidores, grandes fundos de investimentos, por exemplo, para garantir o sucesso de sua oferta.

As empresas de auditoria, além de determinarem o valor da empresa, também calculam uma faixa indicativa para as ações que serão ofertadas ao público, por exemplo, como piso da faixa em R$ 20,00 e o teto R$ 22,00. E assim se inicia o processo de Bookbuilding, que traduzindo significa “Construção do Livro”, e refere-se ao livro de ofertas em que os investidores indicarão quantas ações desejam comprar, e até que preço dentro da faixa indicativa estão dispostos a pagar, funcionando como um leilão, em que nem todos conseguirão todas as ações desejadas, mas pagarão no máximo o preço já aceito por eles em sua oferta. E assim, o preço do IPO é definido, e as ações estão prontas para serem negociadas na Bolsa de Valores.

É importante notar que o investidor deve ficar atento aos detalhes de cada IPO caso deseje se tornar sócio da companhia, e pode ser uma grande oportunidade de ganhos, pois este processo pode indicar que a empresa está vislumbrando um crescimento ou oportunidades únicas, e está se financiando para isso. Apesar de tudo, o ano de 2020 foi marcado pelo número muito grande de IPOs, e 2021 promete continuar esta tendência. Entretanto, com tantas ofertas assim, o investidor deve ter muito cuidado e tratar com responsabilidade o seu dinheiro, aproveitando pessoas e instituições com o conhecimento para aconselhar com seriedade onde investir, como o seu braço direito financeiro, a SOMMA Investimentos.

Assuntos relacionados